Meio&Mensagem

O áudio é um convite à interação

Rodrigo Tigre, da Cisneros Interactive, conversou com Michel Blanco, da Natura & CO, e MM Izidoro, da Ampêre, sobre o crescimento do mercado de áudio e as oportunidades para as marcas

Amanda Schnaider
18 de novembro de 2021 - 17h10

Rodrigo Tigre, country manager da Cisneros Interactive, conversou com Michel Blanco, gerente de reputação e comunicação corporativa da Natura & CO, e MM Izidoro, estrategista narrativo da Ampêre, sobre o potencial do mercado de áudio (crédito: Gustavo Scatena/Imagem Paulista)

Segundo uma pesquisa da Kantar, encomendada pela Globo, em 2020, ano marcado pela pandemia, o número de brasileiros que escutam podcast regularmente aumentou 33%. Outra pesquisa, agora da Cisneros Interactive, que será lançada ainda este ano, revela que 74% de todos os brasileiros já escutaram algum podcast. Esse crescimento do áudio vem chamando a atenção das marcas. Durante a tarde do segundo dia do ProXXIma, Rodrigo Tigre, country manager da Cisneros Interactive, conversou com Michel Blanco, gerente de reputação e comunicação corporativa da Natura & CO, e MM Izidoro, estrategista narrativo da Ampêre, sobre esse mercado.

A Natura & Co está dando os primeiros passos em direção ao mercado de áudio. Em janeiro deste ano, a Natura Musical, plataforma de cultura da marca, lançou o podcast “Nos Encontramos na Música”, que reúne grandes artistas brasileiros para falar sobre a cultura do País. Além disso, Blanco revelou que a empresa também está postando no uso de podcasts para manter seus funcionários atualizados. “Tentamos, nessa jornada, democratizar ao máximo o acesso à comunicação. Já fazemos em português e espanhol para 18 mil colaboradores na América Latina”. O executivo, inclusive, ressaltou que durante a COP 26, Conferência das Nações Unidas sobre Mudança do Clima de 2021, da qual a Natura participou, a empresa utilizou o formato de podcasts para manter seus colaboradores atualizados sobre o evento. “Estávamos na COP agora e a única maneira de conseguir aproximar todo mundo com o que estava acontecendo foi com o áudio, tínhamos um podcast diário para atualizar os colaboradores”, explicou.

Para o geerente de reputação da marca, o áudio é “um convite à interação”, ou seja, ele aproxima, justamente porque acessa os campos da emoção. Complementando sua fala, Izidoro pontuou que o podcast consegue acessar alguns pontos nas pessoas que não podem ser acessados por outros formatos. “Sinto que para uma marca, para as pessoas, o podcast acaba sendo uma formato muito mais fácil de falar coisas complexas, como diversidade”. Para exemplicar esse ponto, ele citou o podcast AmarElo Prisma, que foi uma produção da Ampêre e que foi criado no início da pandemia para ensinar os fãs do Emicida a se cuidarem durante este momento.

Tigre, country manager da Cisneros Interactive, ainda enfatizou justamente esse ponto de pequenos nichos que os podcasts conseguem alcançar. Além desses pequenos nichos, cada vez mais específicos, Izidoro outro pontencial do podcast: “O podcast hoje é um grande gerador de conversa e comunidades”. Blanco, da Natura, concordou com o executivo da Ampêre. “É mais do conexão, é vínculo, aproxima a tal ponto que cria esse sentimento de pertencimento e abre para as marcas a oportunidade, quando bem-feito, de ser um instrumento para autorrealização das pessoas”, concluiu. Por fim, Izidoro, ressaltou que o podcast cada sendo uma entrada mais fácil para as marcas trabalharem com creators.  

Publicidade

Compartilhe

Patrocínio Master

Realização