Meio&Mensagem

Fim dos cookies: foco no first party e relacionamento

Executivos da Webmotors e WPP Media Services trabalham com disciplina e valor de marca para conseguir trabalhar dados de clientes de forma sustentável

Thaís Monteiro
17 de novembro de 2021 - 17h20

O fim da coleta de dados através de cookies de terceiros pelos navegadores tem ameaçado algumas estratégias consolidadas estritamente em dados de navegação e redes sociais. Os anunciantes, no entanto, voltaram a focar em dados first party e a função das agências é auxiliar e estar presente para mudar a estratégia conforme alguns caminhos são bloqueados e demais abertos. No primeiro dia do ProXXIma 2021, Marcelo Tripoli, CEO da Zmes, mediou um painel entre Giovanna Miranda, gerente de branding & marketing de produtos da Webmotors e Vinicius Canola, head of data do WPP Media Services, para tratar do assunto.

Giovanna Miranda, gerente de branding & marketing de produtos da Webmotors e Vinicius Canola, head of data do WPP Media Services, em painel mediado pelor Marcelo Tripoli, CEO da Zmes (Crédito: Gustavo Scatena)

Por que o anúncio do Google comunicando o fim do uso de cookies de terceiro assustou? De acordo com Giovanna , porque a personalização, hoje, é necessidade. Na Webmotors, a confiança no first party data não é algo distante. Segundo ela, ninguém melhor do que um especialista em carros para recomendar um automóvel. Assim, a empresa tem trabalhado unindo especialistas e dados coletados no site da companhia para entregar relevância para o cliente.

Conforme detalha, hoje a Webmotors tem acesso a histórico de buscas, intenção de compra, tipo de modelo, montadora e faixa de preço mais buscado, leads, contatos com vendedores e qual é a possibilidade de crédito e pagamento a vista por ser uma empresa do Santander. A partir disso, o e-commerce passa a recomendar com base nessas informações. Em feirões, a Webmotors também faz uso desses dados e cria filtros especiais para que o cliente escolha o que quer ver de oferta. “Nessa experiência personalizada com o filtro aplicado, convertemos 30% mais. Percebemos que, ao customizar, agradamos nosso usuário, conseguimos aumentar nossa conversão e, então, a audiência volta a acessar”, contou.

Para Vinícius, a agência tem pouco conhecimento sobre o quão dependente de dados o cliente normalmente é. O tema começou a ser discutido, primeiro, nos anunciantes e, posteriormente, as agências começaram a se preparar para estar no suporte e ter conversas. Na sua percepção, a melhor recomendação para um anunciante é preparar a cultura interna para receber essas questões e saber operar plataformas: a cada 10% investido em ferramenta, 90% deve ser investido em colabores para operarem. “Depois que o stack está de pé, eu tenho que ter dentro de casa alguém para estruturar para mim e tomar cuidado para não comprar um monte de stacks e não usar”, coloca.

Na WPP Media Services, o time é diverso. Nele, há geógrafos, historiadores e outros. O foco é trazer pessoas júniores interessados, mas os profissionais sêniores são mais especializados e devem ter uma cultura de mentoria e formadora, para alimentar uma cultura saudável.

O time da Webmotors trabalha em integração das áreas analytics, CRM e cientistas de dados, e com constantes questionamentos sobre assertividade para não lançar produtos em momentos inadequados, não falhar na comunicação e em outros processos.

No entanto, no final das contas, Giovanna acredita que a estratégia de uso de dados first party depende de valor de marca. “Qual é a proposta de valor que sua empresa cria para que o cliente compartilhe os dados com você? Se você entender até onde pode ir para precificar, provavelmente você vai trabalhar de forma mais assertiva sua estratégia”, finalizou.

Publicidade

Compartilhe

Patrocínio Master

Realização